Pesquisa avalia uso da auriculoterapia no tratamento de pessoas com chikungunya


A auriculoterapia é um tipo de acupuntura em pontos das orelhas, sem a utilização de agulhas. A melhora dos sintomas já pode ser notada nas primeiras aplicações

     

  • Categories:em Saúde
  • 25 de maio de 2017 às 07:00
  • A auriculoterapia é um tipo de acupuntura em pontos das orelhas, sem a utilização de agulhas. A melhora dos sintomas já pode ser notada nas primeiras aplicações

       

    • Categories:em Saúde
    • 25 de maio de 2017 às 7:00

    A intenção é avaliar a eficiência no tratamento da dor e da incapacidade nos pacientes com a doença (FOTO: Divulgação)

    A partir dos resultados positivos do tratamento com o uso da auriculoterapia – um tipo de acupuntura em pontos das orelhas, sem a utilização de agulhas –, o coordenador do grupo, professor Bernardo Diniz Coutinho, começou a desenvolver, neste ano, projeto de pesquisa vinculado ao Programa Interinstitucional de Doutorado em Ciências da Reabilitação (Dinter), parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais e a UFC.

    A pesquisa quer “avaliar a eficiência da auriculoterapia no tratamento da dor e da incapacidade dos pacientes com febre chikungunya”, o que a prática clínica já vem demonstrando, segundo o professor.

    Os atendimentos foram planejados para a população residente nas áreas próximas ao Posto de Saúde Anastácio Magalhães (Rua Delmiro de Farias, 1679, Rodolfo Teófilo), território onde o GAIPA atua. As sessões de auriculoterapia ocorrem às quartas-feiras, das 14h às 16h, e às sextas-feiras, das 8h às 11h.

    Voluntários

    Da população atendida pela atividade de extensão será formado o grupo que vai ter acompanhamento durante a pesquisa. Para se tornar voluntário, o paciente deve levar para a consulta encaminhamento médico de unidade de saúde ou de equipe de saúde da família ou exame laboratorial comprovando a chikungunya.

    Depois de triagem de 50 pacientes, eles serão acompanhados ao longo de cinco semanas, uma sessão por semana. O professor explica que, independentemente desse grupo de controle, o atendimento que o GAIPA já faz vai continuar.

    Ele informa que a melhora dos sintomas já pode ser notada nas primeiras aplicações da auriculoterapia, “além de ser um tratamento seguro e de baixo custo”. A previsão é que no fim deste ano ou início de 2018 sejam divulgados resultados da pesquisa. “Caso os resultados da pesquisa se mostrem significativos, o serviço poderá ser ampliado para a rede do Sistema Único de Saúde (SUS), via formação e treinamento dos profissionais da atenção básica”, diz

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s